Amanda Carneiro
3 min readFeb 12, 2020

Viés de confirmação. Força do hábito. Consciência coletiva. Conformidade normativa.

Poucas mulheres na tecnologia. Isso é um viés de confirmação. Se você olha em volta em uma sala de programadores de uma empresa e vê duas, uma ou nenhuma mulher, automaticamente dá para assumir que existem poucas mulheres que são programadoras. É um viés de confirmação, igual quando você compra um celular e do nada todo mundo tem esse mesmo modelo... O número de celulares pode nem ter mudado, mas você está prestando mais atenção a esse modelo específico. Bom, podem existir várias mulheres trabalhando em ramos da tecnologia, mas você só vê uma ou outra de vez enquando, então para você, são pouquissimas na área. Viés de confirmação.

A moça do café, a mulher do RH, a tia da limpeza... Força do hábito. Força do hábito atribuir certas funções para mulheres. Afinal de contas, são elas que naturalmente assumem essas funções né?! Força do hábito em sempre perguntar para mulheres em entrevistas de emprego se elas tem filhos ou pretendem ter ou com quem os filhos ficam quando elas não estão por perto, qual o tempo que elas dedicam à família e nunca fazer esse tipo de pergunta para homens...

A mulher é mais comunicativa, a mulher serve para conversar com o público, a mulher é melhor em áreas de humanas. Consciência coletiva. Assume-se antes mesmo de compreender o que significa consciência ou o conceito de coletividade, que é responsabilidade da mulher ter empatia e compreender os seres humanos a sua volta e é papel do homem ser provedor e ocupado com a própria carreira enquanto a mulher cuida dos que estão a sua volta...

Homem discutindo economia e política, mulher discutindo receita de bolo e educação de filhos. Conformidade normativa. Sempre foi assim, a sociedade se construiu assim, por que alguém ia querer mudar isso agora?

Viés de confirmação, força do hábito, consciência coletiva e conformidade normativa. São formas bem primitivas de justificar o preconceito que os homens e muitas vezes as próprias mulheres tem contra mulheres que escolhem carreiras com predominância masculina, que escolhem a carreira em vez de casar e ter filhos, escolhem ser independetes em vez de seguir o esperado pela sociedade.

É muito fácil usar esse tipo de argumento para justificar os próprios preconceitos porque esses argumentos fazem parte do nosso dia a dia e dos nossos círculos de convívio. Eu duvido que você não conheça pelo menos um homem que gostaria que a esposa ficasse em casa cuidando dos filhos enquando ele constrói a carreira dele, mesmo que essa não seja a vontade dela. Eu duvido que você não conheça pelo menos um casal hétero que tem essa cena todos os dias: O homem senta no sofá e vê o jornal enquanto a mulher, mesmo cansada e sem a mínima vontade, prepara o jantar porque o homem é “incapaz” de preparar uma refeição. Sabe, eu podia continuar essa lista de “Eu duvido” por quantos caracteres eu quisesse, mas acho que isso não vai trazer nenhum valor.

Onde quero chegar?

Bem, só porque você está habituado a ver as coisas de uma determinada maneira, isso não significa que essa seja a única maneira de ver o mundo e muito menos, significa que essa seja a forma certa de ver as coisas.

Sim, ainda temos um número proporcinalmente muito menor de mulheres em comparação a homens atuando em meios profissionais de tecnologia. E o que você tem feito para mudar isso?

Sim, muitas mulheres ainda são forçadas a aceitar certos tipos de profissão que, muitas vezes, não são seu “dom natural”. Qual é o tipo de educação e oportunidade que você está dando para essas mulheres para que elas possam escolher outras carreiras?

Sim muitas mulheres costumam tender para áreas profissionais de humanas, porque esse é o esperado e esse é o incentivo dado. Qual foi a última vez que você incentivou uma menina, uma adolescente ou uma mulher a estudar ciência e tecnologia?

Sim, muitas mulheres tendem a discutir sobre receitas de comida e educação de filhos. Qual foi a última vez que você, homem, se preocupou VERDADEIRAMENTE com a educação dos seus filhos ou se preocupou em preparar uma refeição decente para a sua família?

Justificar as próprias falhas com conceitos antiquados e pífios é muito fácil e banal. Você já tentou, em vez de se justificar sem o menor sentido, simplesmente pedir desculpas e tentar mudar sua postura????

Se sua resposta foi sim: Continue se esforçando porque ainda não é o suficiente.

Se sua resposta foi não: Comece a fazê-lo.

Amanda Carneiro

Engenheira de software, apaixonada por tecnologia. Amo arte, amo conhecer lugares novos e viver viajando é o que me motiva todos os dias.