Amanda Carneiro
2 min readApr 20, 2018

O que dizemos:
“Hoje fica pronto.”

O que queremos dizer:
“Se não for feito nenhum teste, se eu ficar o dia todo com o foco só nisso pode ser que fique pronto hoje ou amanhã.”

O que acaba acontecendo:
Fica pronto, testado e descente para o usuário uns 4 dias depois(com sorte).

O que dizemos:
“Ta pronto, é só testar.”

O que queremos dizer:
“Usei minha lógica, fui fazendo como achei que fosse funcionar, pode ser que a hora que teste nada funcione e tenha que mudar tudo.”

O que acaba acontecendo:
Está pronto só até testar mesmo, depois dos testes começam a aparecer várias melhorias necessárias e falhas a serem corrigidas.

O que dizemos:
“Usei algumas referências de design e fiz a tela.”

O que queremos dizer:
“Joguei o que precisava na tela, sei lá se tem usabilidade, eu entendi, o cara do meu lado também entendeu então fechou.”

O que acaba acontecendo:
A tela fica com aquela cara de “Dev made”, com uma estrutura muito lógica, meio quadrada e sem usabilidade para o cliente final e quando chega no time de designer e UX, precisa mudar tudo.

O que dizemos:
“Vamos fazer uma reunião de 5 minutos, no máximo 10.”

O que queremos dizer:
“Pode ser que leve meia hora ou 2 horas, nunca se sabe. Então melhor nem sair daqui, to fazendo umas coisas importantes.”

O que acaba acontecendo:
A reunião vai sendo adiada até que algum bug muito feio estoure e acaba durando mesmo 2 ou 3 horas.

Agora, sinceramente, será que estes discursos ajudam mesmo? Pode ser que nos sintamos melhor a curto prazo, pode ser que algumas situações de confronto sejam evitadas, mas e a longo prazo?

O time de desenvolvimento é crucial para que uma aplicação ou software tenha uma boa qualidade e se mantenha funcionando. Como podemos fazer para que a qualidade seja garantida se não sabemos quais são os pontos fracos em que precisamos melhorar? Admitir erros ou até mesmo admitir que você como desenvolvedor não consegue realizar uma atividade da melhor forma, como por exemplo o design de tela do seu produto não é o problema, não é feio admitir isso, feio é o sistema cair na mão do usuário final sem funcionar direito ou com uma tela que o usuário não entende e não consiga executar o que deseja e deveria conseguir.

Amanda Carneiro

Engenheira de software, apaixonada por tecnologia. Amo arte, amo conhecer lugares novos e viver viajando é o que me motiva todos os dias.